Influência dos pais é irresistível

Se os pais têm sentimentos patrióticos, o respeito pela honradez, o desprezo pelo luxo ou pela vida irregular, a criança assimilará estes sentimentos sem que os pais cheguem a fazer qualquer esforço consciente para lhos inculcar. Se os pais têm preconceitos sociais ou consideram a virtude como apanágio da sua classe ou sempre falam com desdém ou inveja das outras classes, a criança herdará estes sentimentos também de modo espontâneo e inconsciente. Os juízos de valor do ambiente familiar, isto é, os de seus pais, constituem para ela coisas evidentes e inclusive as regras habituais da urbanidade, como estender a mão direita, ou não deitar a língua de fora.

É certo que, muito em breve, outras influências se sobrepõem à dos pais e por vezes a contrariam, sobretudo nos nossos dias em que um tão grande número de crianças vai às aulas desde a idade dos três anos; porém, a acção dos pais continua a ser predominante, pelo menos nas boas famílias, sempre que os pais cumprem a sua missão, e no momento em que a criança começa a emancipar-se do ambiente familiar, já está impregnada de um espírito que encontrará em si até à velhice.

Esta influência dos pais é irresistível, precisamente na medida em que se encontram unidos e em que a acção do pai e a da mãe mutuamente se reforçam: é irresistível porque todo o complexo familiar leva a criança a depositar confiança nos pais.

É certo que, de alguma maneira, parece às vezes depositar a mesma confiança num estranho que igualmente se ocupa dela, uma ama por exemplo. E acontece que, quando os filhos têm maus pais ou não os têm, os pais adoptivos têm sobre eles uma influência aparentemente semelhante. Mas nada poderá, no entanto, substituir os verdadeiros pais, quando estes são ao mesmo tempo bons pais porque, a par do contacto quotidiano e da acção exclusiva sobre o filho nos primeiros anos da vida, a sua influência torna-se maior pelo facto de eles serem os seus pais, com todas as afinidades secretas, tanto físicas como espirituais, que provêm de que os filhos sejam alguma coisa de si mesmos. Este é o motivo de que muito espontaneamente se considere uma desgraça para os filhos o facto de ficarem órfãos. Os educadores estranhos podem ser excelentes colaboradores; nunca conseguirão substituir os pais; ou ainda que em certa medida os possam suprir, não quer isso dizer que a maior desgraça para uma criança não seja perder os pais ou ter maus pais

Uma boa educação exige que o filho sofra ao mesmo tempo a influência masculina do pai e a feminina da mãe, exercendo-se cada uma delas com as características próprias; exige também que esta dupla influência se converta em uma única graças à união dos pais. Aos olhos do filho, os pais devem ser como um só, se bem que, ao mesmo tempo, os distinga muito claramente ao ver que a autoridade paterna é muito diferente da ternura materna. E assim estamos de novo caídos no amor dos pais, de um pelo outro, porque é este amor que assegura a sua união e lhes permite aparecerem aos filhos necessariamente unidos. Para serem bons pais, os esposos devem primeiramente ser bons esposos.

Este ponto deve ser sublinhado porque propositadamente se mantém sobre ele uma certa confusão. Alguns, pretendendo reivindicar os direitos do amor, fazem do filho um efeito acessório do casamento, como se o verdadeiro amor não tendesse para o filho como seu fim natural, ou como se não fosse monstruosidade considerar o filho um elemento secundário, uma espécie de acidente, quando, na verdade, ocupa um lugar tão importante na vida dos pais e a transforma tão profundamente.

Outros, sob o pretexto de que o filho é o fim primordial do casamento, mais importante em si do que o amor conjugal – o que sob um certo ponto de vista é evidente, visto que o género humano se extinguiria à falta de crianças…- tendem a separar o amor da procriação e a tratá-lo com desprezo. É o amor que, para eles, se torna uma parcela insignificante, com desprezo de toda a experiência humana. Por isso, é necessário insistir sobre a união imprescindível do amor e do filho, entendendo-se aqui por amor não o dos pais pelo filho, mas o dos pais um pelo outro. É certo que podem ter filhos pais que se não entendam; é certo que o género humano não se extinguira enquanto os homens tiverem filhos, e que este facto material é o fim primário do casamento, na ordem natural. Mas também é certo que, se os filhos não nascem do amor e não são educados num lar alicerçado no amor, não beneficiarão das condições humanamente normais de formação. Todos os testemunhos são concordes: os que cresceram no seio de uma família desunida vêem unanimemente nisso a maior desgraça da sua juventude. Os lares desunidos podem ser materialmente fecundos; não o são moralmente, nem permitem ao género humano o desenvolvimento que a sua natureza requer.

(Jacques Leclercq)